Post do leitor : Amor meu

Eu gostaria de lhe agradecer pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu 
sou. Pela sua capacidade de me olhar devagar, já que nessa vida muita gente já me olhou 
depressa demais. (Padre Fábio de Melo)



Resolvi começar esse texto com essa frase, pois ela define perfeitamente o ator principal dessa  história.
Há pessoas que nos roubam... Há pessoas que nos devolvem... E ele me devolveu a
vida!
Nunca fui de sonhar com príncipes encantados e casamentos cinderelescos, mas sempre gostei de romantismo... Mas isso chegou ao fim em uma determinada época da minha vida.
Como se alguém tivesse vindo somente para destruir sonhos e arrancar corações.
Há cinco anos, a vida me pregou mais uma peça: Tudo o que eu sonhei tinha desmoronado.
O véu da noiva se rasgou... E com ele sonhos, romantismo, delicadeza, confiança, esperança, coração...
Sim, coração! Pois prometi pra mim mesma que ninguém entraria mais ali. Passei cinco anos me escondendo atrás de uma armadura que nunca levava as coisas a sério. Me tornei uma moleca para esconder a romântica que ainda existia em mim. Durante algum tempo deu certo, não sentia vontade de me relacionar com ninguém, e quando via que poderia começar a rolar algum sentimento eu simplesmente fugia! E eu me sentia a pessoa mais forte do mundo, até ele aparecer...
Não lembro quando. Não lembro onde. Só lembro de um sorriso!
Ali ele já tinha perfurado a armadura e eu não me dei conta, continuei sendo a mulher de aço.
Se eu fosse contar cada detalhe, cada palavra, esse texto iria ter umas mil páginas... Ou seria infinito. (pausa para enxugar a lágrima)
Agora você se pergunta, o que o texto do Fábio de Melo tem a ver com ele?
Porque ele me tratou diferente de todos.
Ele viu em mim beleza que nem minha mãe notou!
Ele admirava meu sorriso como se admira um pôr do sol.
Ele não poupava suas palavras de carinho e admiração.
Ele via cada detalhe em mim.
Ele prestava atenção em cada gesto, em cada palavra, em cada sorriso meu.
Ele entrou na minha vida sem tocar a campainha e me sequestrou de uma vez! Mas não me levou...
O destino nos uniu tão rápido, mas separou também. Como diz uma canção: “Ele (Deus) um dia colocou um paraíso em nossas mãos e logo nos tirou”. Tudo aquilo, meu Deus, tudo aquilo que era maior do que eu mesma, maior do que o mundo, que me soterrava, que me transportava pra outra realidade, que fazia meu corpo inteiro doer tanto de tanto sangue inchado que passava por ele, tudo aquilo se foi.
Não dá pra descrever aqui o que ele fez na minha vida... Não dá pra descrever cada olhar, cada sorriso, cada toque, cada palavra trocada, cada beijo. Droga, eu lutei tanto pra não sentir, pra não deixar que a armadura fosse derrubada. Meu Deus, só o Senhor sabe o quanto eu pedi pra que isso não me tomasse.
Eu gritei pra que ele não sentisse a mesma coisa. Até que ele falou:
“eu sinto por você a mesma coisa que você sente por mim...”.
E foi aí que tudo acabou. O que era tão lindo de repente se perdeu. Foi depois dessas palavras que o destino te levou para longe de mim. Não conseguia acreditar que você estava indo embora. Naquele momento eu sabia que estava perdendo para sempre a única pessoa que me fez feliz de verdade.
Estamos na mesma cidade, mas me sinto como se estivesse em outro mundo. E a minha vida segue...  Mas eu me lembro de tudo tão bem que ainda que não tivesse sido ontem, continuaria sendo ontem na memória. Lembro do nosso último dia, quando você esqueceu a sua mão em cima da minha.
Lembro daquele abraço, o melhor lugar do mundo para mim! O lugar onde eu gostaria de estar ainda hoje. Não penso em outros amores, em outros beijos e outros abraços porque tudo que planejamos sobre o futuro ainda está em mim. E não vai sair...
Não quero que saia... E vai continuar sendo você. Sim, eu escolheria você. Se me dessem um último pedido, eu escolheria você. Se a vida acabasse hoje ou daqui a mil anos, eu escolheria você!
E como diz a canção, te faço um último pedido: Não me deixe preencher com vazios o espaço que é só teu. Não se encante em outro canto se aqui comigo você já fez morada...

*Texto com adaptações de algumas canções e textos de Caio F. Abreu

Texto da leitora Mayara Regina, Fortaleza, analista de Help Desk.

6 comentários:

  1. Amor....
    Acontece assim...sem hora nem data marcada,de forma arrebatadora!
    Amo amar!

    ResponderExcluir
  2. Amiga, obrigada por ter publicado!
    Quem sabe ele ler... rs
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como não publicar ?
      Amei... tomara que ele leia =)

      Excluir
  3. Deus do céu, Paty, estou arrepiada... e chorando a dor da autora desse texto, puxa vida...
    Vou ao blog dela, conhecê-la.
    E que seja sonho de Deus também que eles se reencontrem e vivam uma linda história de amor!

    Deus abençoe!
    Bjs!!!
    Karin Filgueira
    BLOG: - Meu Doce Lar

    ResponderExcluir