Menina




A menina sonha acordada
Os sonhos são pedrinhas de açucar
Ilusão adocicada
Pequenas gotas de cristal
Tudo é infância afinal


Nas memórias sobrevivem
A valsa das chamas na fogueira
O rosto abrasado da menina faceira
O baile multicolorido dos sons
O brilho da lua festeira
Esparramado em muitos tons


O céu estriado
De um tom laranja vitaminado
Cor sem escrúpulo
Crepúsculo


Figuras espectrais surpreendem
Numa dança de formas que ascendem
No tapete das memórias
No palco das estória
(Úrsula de A. Vairo Maia)

*Eu já fui essa menina*

Nenhum comentário:

Postar um comentário